Roteiros: da criação como experimentação

Publicações

Roteiros: da criação como experimentação

Em um passeio por diferentes práticas de roteiro do cinema brasileiro contemporâneo, o livro Roteiros: Da criação como experimentação detém-se sobre a experiência do roteiro cinematográfico enquanto função mais do que enquanto formato. Propõe, pelo plural do termo (Roteiros), olhar para a ferramenta como um recurso à experimentação. Por sua natureza de passagem, os roteiros oferecem um modo de pensar (e de criar) transitório e, por isso mesmo, propulsor. Algo que “é” ao mesmo tempo em que projeta e inspira “serás”.

Os roteiros, como modos de pensar e de fazer, dialogam com diferentes momentos da criação e se reconstroem nos gestos de dar a criar ao espectador. Constituem, sobretudo, um recurso à testagem de hipóteses, e lembram-nos da impermanência e do inacabamento das narrativas (tantas e diversas) que habitam o mundo e que configuram uma das tantas matérias da criação dos sujeitos e dos roteiros.

Como molas, os roteiros tencionam, incitam e projetam a criação de filmes possíveis e, por vezes, impossíveis. Em sua dinâmica móvel, ajudam o filme a manter-se vivo em meio ao processo (geralmente longo) de feitura. Recontam-se, restauram-se e reescrevem-se a cada nova leitura (versão), como um modo de reativar a experiência de imaginar e de fazer imaginar filmes.

Esse modo de olhar para o roteiro vem para este estudo, sobretudo, da observação de diferentes relatos de processo e estratégias de criação de cineastas brasileiros, como Anna Muylaert, Eliane Caffé, Leonardo Mouramateus, Marcelo Gomes, Karim Ainouz, Alê Abreu e Cao Guimarães, entre outros. O recorte do roteirista-diretor deu-se diante do desejo de acompanhar, pelos arquivos da criação desses cineastas, o desdobramento do roteiro ao longo do processo de criação – antes, durante e depois das filmagens – entretanto com enfoque prioritário para os modos de fazer do roteiro e em busca do que lhe é intrínseco.

A exemplo de Aristóteles em sua Poética, que buscou elaborar uma teoria com base na prática de artistas do seu tempo, este livro ensaia uma elaboração teórica com base na prática de importantes roteiristas do cinema brasileiro do nosso tempo. Uma “poética do roteiro” inspirada nas práticas do cinema brasileiro contemporâneo – uma entre muitas possíveis – e que busca oferecer uma visão complementar (mais do que oposta) às bibliografias de roteiro tradicionais e àqueles interessados em estudar a criação em geral, e o fazer do cinema e do roteiro em específico.

Data de publicação: 2024
Suporte: Impresso | PDF
ISBN: 978-989-9023-09-3 (PDF)
Páginas: Em preparação
Dimensões: 215,9 × 279,4 mm
Coordenação: Mirian Nogueira Tavares e Cecilia Almeida Salles
Edição: Ana Isabel Soares, Patrícia Dourado, Paula Martinelli e Wagner de Miranda

Descarregar